quarta-feira, setembro 16, 2009

Carta aberta ao Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim

.
Exmo. Sr. Presidente:
.
V.Exa. conhece-me. Não por alguma importância pessoal minimamente relevante mas, precisamente , pela minha modesta e desfavorecida apreciação pública da política administrativa de V.Exa. enquanto responsável determinante pelo rumo desta grande lancha que é o Município Poveiro.

Conhece-me bem V.Exa. pelo que, posso afirmar-lhe da minha modesta , mas independente opinião. Não me movem quaisquer interesses para a lisonja, que abomino, nem me retraem os desagrados que possa causar às entidades de quem publicamente me ocupo, se tenho de lhes censurar os exercícios de sua área de competência que considere errados. Assim, de V.Exa. eu tenho louvado, oportunamente,o que de bom tem feito pela nossa cidade mas, com igual veemência, rejeito-lhe as manobras políticas de falsas promessas e aliciamento de responsáveis locais, intelectualmente mal acautelados. Aqui, em Aver-o-Mar, o desempenho de seus cargos tem carecido de alguma ciência pessoal básica que lhes proporcione a necessária desenvoltura para reclamarem, sem tibieza, o respeito pelos direitos desta freguesia que é a mais populosa e contributiva para o erário municipal. Aqui,desde sempre, a preocupação dos membros das sequentes Juntas de Freguesia, tem sido a mnutenção de seus cargos em sucessivos mandatos. E, por isso, o seu primordial objectivo vem sendo a satisfação do individualismo primário da maioria de seus eleitores em detrimento, pelo consequente desleixo, do interesse geral da povoação.

Ora, eu sei que V.Exa. tem absoluta consciência desta anomalia administrativa e estou certo que a observa de bom grado porque, de modo algum, lhe conviria que daqui, soprasse um forte vento que lhe contrariasse o rumo para outras paragens, na mira da aura que lhe acalente o orgulho.

Repare V.Exa. que falo de orgulho - não de vaidade - que aceito como legítimo, quando tem por base uma dedicação ao trabalho de que resulta a obra bem patente na cidade.

Mas, acontece que a aura que o enleva lhe refractou uma miragem. V.Exa. deslumbra-se, perde o norte e encalha a lancha num deserto . É de V.Exa. o vaticínio: este espaço precisa da presença do homem , sem o que ,será um deserto (se não foram ,exactamente, estes os termos que proferiu o que importa é o sentido da sua própria premonição, aquando da inauguração do "deslumbrante parque da cidade").

Esquece-se V.Exa. que a Póvoa é mar. É do mar e para o mar que ela vive. A navegação para norte, ao longo da costa, ancorando nas belas praias de Aver-o-Mar, seria o rumo de enteiro agrado das gentes poveiras. Esta seria a grande expansão que faria da Póvoa de Varzim uma bela metrópole turística .

Aqui reside a grande responsabilidade do mestre da lancha poveira . Penetencie-se, Sr.Presidente, do erro que considero uma grande nódoa no orgulho de V.Exa.

........................................................CCom os melhores cumprimentos

..................................................................Dimas Maio




4 comentários:

Dimas disse...

MUITO BEM!!!
Uma forte mensagem carregada de muita verdade. Fazem falta textos como este nos nossos jornais locais. Quem sabe se alguém não o publicará... Aver-o-Mar está pior que uma localidade abandonada, pois não se identifica com a cidade vizinha. De modo algum! Os meus parabéns pela excelente iniciativa e comprovada capacidade de escrita!

Pedro disse...

Também desde sempre defendi Aver-o-Mar como parte integral da cidade, tb cresci em Aver-o-Mar e só descanso quanto ver Aver-o-Mar plenamente integrada na cidade, como seria natural. Estará a ajudar a cidade a ter mais dimensão, projectando-a mais, a ter mais praias e ajudando Aver-o-Mar a se desenvolver de forma correcta. Tem que ser revogada a Lei nº96/2003 onde foi criada a Vila de Aver-o-Mar feita por um deputado portuense do PSD, possível tentativa de dividir para a sua cidade decadente ter hegemonia na região como cidade. Deve achar que somos todos um bando de idiotas que nao percebemos a estratégia! apesar de Aver-o-Mar já esta incluída na cidade, pelo Plano de Urbanização e na cidade estatística pelo INE. o silencio da câmara, que provou que a sua assembleia municipal de nada serve para além de tacho como se vê pela acta, pois ninguém se preocupou sequer a ver. A Câmara agora tem que corrigir mandando algum deputado na assembleia da republica fazer um novo projecto-lei, é verdade e sei que é apenas estatuto, sem relevo administrativo, mas tem que ser revogado. Tb devemos começar a defender a elevação de freguesias do Porto tais como Foz do Douro, Ramalde e Campanhã a vila. Claramente menos ligadas ao centro do Porto, que Aver-o-Mar ao centro da Póvoa.

Anónimo disse...

Concordo, plenamente, doutor. Tem sido esta a postura do presidente da Câmara no que diz respeito a esta Terra, contando com a timidez (ou colaboração?...) dos sucecivos presidentes da junta.
Repare que, Macedo Vieira, daqui até Outubro,não terá qulquer pejo em ter dois discursos em relação a Aver-o-Mar: fazer inaugurações, de dia com o actual presidente e recandidato do PS louvando o que foi feito (?) e, à noite, participar na campanha do candidato do PSD- no fundo o seu partido- e atirar (com dizem que já aconteceu) "... e se o povo não estiver contente com as obras executadas no adro da igreja remove-se e faz-se de novo..."
Doutor,"pelo andar da carruajem", iremos ter mais quatro anos de "reinado" do presidente da Câmara, em relação a Aver-o-Mar, porque eu não estou a ver qulquer um dos dois candidatos que, em princípio, vencerão as eleições, terem capacidade para lhe fazerem frente, exijindo o que esta terra tem direito e,há muito lhe é escamoteado. Têm medo doutor. Deixam "correr o marfim" salvaguardando o tacho...
Um abraço.

Anónimo disse...

Só para dizer que o comentário Nº 3 saiu anónimo mas é meu Manuel Lopes.