segunda-feira, setembro 11, 2006

PÓVOA AMADA


A Póvoa está demasiado atraente e oferece-se , em cada ano, mais donairosa, a novas paixões.

Neste particular, a grande dama, é bem servida pelos seus mordomos que se esmeram em a aprestarem de vantajosos equipamentos e a revestirem-na de requintados adereços. E assim a apresentam em constantes eventos, culturais e festivos, tornando-a progressivamente mais cativante e ampliando a longitude da sua notoriedade .
Não tenho dúvida alguma em fazer esta afirmação, porquanto pessoalmente constato, que a nossa cidade está bem cuidada em toda a sua área, desde as praias ao seu limite do interior. Bem empregado o pessoal de jardinagem e limpeza, redobrado na época balnear que ora finda.

Não faltou imaginação aos promotores da organização de festas e divertimentos. Houve a manifesta preocupação de uma actividade lúdica constante.

Gente de todos o quadrantes geográficos e camadas sociais, invadiu a nossa terra, como se fora a prometida para um descanso, mais psicológico ( do stress) do que físico. De férias bem passadas se hão-de sentir felizes os nossos invasores, refeitos para um novo período, naturalmente árduo de luta, no seu posto mais ou menos avançado, do campo social.
Passavam por mim pessoas que falavam, entre si, inglês francês ou espanhol... E também emigrantes que chamavam os seus "cheris pour aller à la plage" . Será possível um espaço mais cosmopolita que este ?

Comecei por dizer que a Póvoa está “demasiado” atraente. Por que sinto isso? Imagine-se a multidão compacta que nem espaço me deixava para o meu caminhar , exercício de manutenção, recomendado pelo médico. E, como eu, meus amigos, de que me queixo também de dificilmente os encontrar para a imprescindível saudação jovial.

Para ilustrar este meu texto, permiti-me copiar a imagem do blog“ (garatujando.blogs.sapo.pt) de meu dilecto amigo Carlos Ferreira. Consultá-lo para apreciar a sua arte, mormente no que se refere à Póvoa , é recomendação que aqui deixo.
Não quero terminar sem apresentar congratulações aos mordomos, que tão bem têm servido a nossa PÓVOA AMADA.

1 comentário:

Carlos Ferreira disse...

Meu caro Dimas:
Confesso que estranhava já a pouca frequência na actualização do MAR DE MAIO.
Em 30 de Junho falaste do nosso comum amigo Armando Marques e do reconhecimento que lhe é devido pelo muito que tem trabalhado pela Póvoa.
Depois, em 07 de Agosto, desancaste, sem dó nem piedade, no João Jardim ... Que nunca as mãos te doam.

Em 07 de Setembro corrente, falas-nos da nossa "Póvoa Amada". Comentários pertinentes no que respeita ao número crescente de banhistas e visitantes que a nossa praia regista ano após ano, e ao aspecto cosmopolita que a cidade apresenta.
Deixas, ainda, um merecido elogio aos "mordomos" que tão bem têm sabido corresponder às responsabilidades da Póvoa como terra de turismo.

Tudo bem.
Mas deixa-me acrescentar que a tua produção como "bloger" me parece muito aquém daquilo que todos esperamos de ti atentas as tuas qualidades, a tua capacidade "de observar em teu redor", e o teu reconhecido amor à Nossa Terra.
E isto porque, no FLORES DE MAIO estás, também, mudo e quedo desde 30 de Julho.

Condordarás que, a média de UM “posted” por mês é pouquíssimo em relação ao que se espera de ti.

Ora, meu caro, vamos lá a arregaçar essas mangas e a "juntar a tua à nossa voz". É que todos somos poucos para falar da Póvoa.
E tu tens, além do mais, a possibilidade que falta a quase todos, de ensinar a "bem falar e bem escrever" , no seguimento duma missão que a ti mesmo te propuzeste no "Comércio da Póvoa" e que foi tão ingloriamente interrompida.
Num dos teus blogues ficava bem uma secção em que retomasses essa missão.

Agradecimentos pela generosa referência que me fazes e ao GARATUJANDO, o que fico a dever à tua boa amizade.

Um forte abraço pelos oitenta magníficos anos que amanhã completas.

Carlos Ferreira